.

.
ATENÇÃO: ..............................................................Este Blog tem conteúdo adulto, cenas de sexo e imagens proibidas para menores de 18 anos. Caso você não ................................................................................tenha 18 anos completo ou se ofenda com material pornográfico não continue a navegação.

domingo, 12 de abril de 2015

ENVIE PARA SUA ESPOSA / NOIVA / NAMORADA

Eu quero uma mulher rodada.
Uma mulher que seja dona de si e que esteja livre de censuras e preconceitos.
Prefiro manter distância das recalcadas. Das mulheres ameaçadas pela felicidade alheia que ela mesma não tem coragem de desfrutar.
Prefiro uma mulher rodada.
Aquela que sussurre deliciosas indecências no meu ouvido.
A mulher que me conte seus segredos mais picantes. Suas aventuras e desventuras. Seus tombos e seus gozos. Sua magia e seus temores.
Não me interessam as santas.
Não aprecio as santas por vocação, imaginem só as santas do pau oco?
Prefiro as pervertidas, as mundanas, as vadias.
Essas mulheres têm a saliva gostosa.
A voz serena e tranquila de quem vive a vida bem vivida.
A melodia de quem não guarda tantas frustrações, amarguras nem armaduras.
Não são azedas. Seus fígados são desopilados.
Escolho uma mulher que coloque logo as cartas na mesa.
Melhor do que aquelas que mostram o jogo aos poucos. Que blefam.
Que dissimulam, que te sorriem com candura e depois colocam duas dúzias de capatazes de beca para te ameaçar.
Quero uma mulher que não construa um castelo de cartas cheio de aparências tolas.
Com franjas bem cortadas. Sorrisos rigorosamente calculados. Atitudes comedidas. Contratos com letras miúdas.
Quero uma mulher rodada.
Uma mulher que eu não precise chamar de "minha". Uma mulher que não aceite pertencer a ninguém.
Que vista aquela camiseta escrita "quem comeu comeu".
Uma mulher que se garanta.
Que eu beije na boca com carinho nos lugares da vida. Ainda que ela tenha "rodado" por mil homens.
Que os cegos funcionais subitamente se deem conta de que não conseguiram reconhecer a arte onde ela existia. Onde tudo parecia paisagem cotidiana.
Quero uma mulher rodada que não sinta vergonha de seu corpo.
Uma mulher que se arreganhe. Que não sorria meios sorrisos.
Que não se perca em nojinhos descabidos.
Não preciso de uma mulher pra casar.
Quero uma mulher para amar.
Uma mulher que me faça perder o fôlego.
Que me cure de qualquer arritmia cardíaca.
Que me exercite.
Que cure as minhas feridas.
Que me tire o medo de amar.
Uma mulher que não controle minhas gargalhadas.
Que não mexa no meu celular. Que respeite as minhas gavetas.
Que não me impeça de sorrir.
Que me deixe ser simpático e carinhoso com minhas amigas.
E que ela tenha tantos quantos amigos lhe couberem no coração.
Quero uma mulher rodada que me mate de paixão.
Melhor do que uma mulher que me mate de tédio. De tristeza.
Quero uma mulher flexível. Odeio as mulheres rigorosas.
Quero uma mulher rodada que me deixe calmo. Melhor do que uma mulher que me acelere.
Quero uma comédia romântica. Não quero mais um drama.
Quero uma mulher que transpire verdade. Que sue de tanto amor.
Melhor do que uma mulher asséptica, perfumada de tanta mentira.
Quero dividir balcões de bares. Filmes de sacanagem. Os melhores amigos.
Não quero dividir crises de ciúmes. Não quero alguém que puxe o extrato para saber se mais se doou ou se mais recebeu.
Quero dividir um bom vinho. Uma calorosa cachaça. O mesmo sabonete. O pen drive de músicas.
Não quero dividir regulamentos, certezas, valores. Não quero ninguém que diga o que é "o certo".
Alguém que respeite os amores insanos.
Que valorize a liberdade.
Uma mulher rodada.
Que não tenha medo da vida.
Que não sinta medo de amar.
Uma mulher que tenha elegância na vulgaridade.
Muito melhor do que ter vulgaridade na elegância.


* Retirado de um blog o qual não conseguimos o contato do proprietário para pedir autorização de reprodução.

* Caso este texto tenha autoria conhecida ou seja propriedade de alguém, favor entrar em contato com centraldecorno@gmail.com que retiraremos imediatamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário